O Patrono: Padre Alberto Neto Simões Dias

Alberto Neto Simões Dias (Souto da Casa) foi um sacerdote católico português que se destacou como educador, e pelo seu papel no movimento católico progressista contra a Guerra Colonial e a ditadura fascista (Estado Novo) de António de Oliveira Salazar e Marcelo Caetano.  

Alberto Neto nasceu em 1931, sendo filho de Eurico Simões Dias e Genoveva Neto, ambos professores primários na aldeia do Souto da Casa, concelho do Fundão, Beira Interior. Frequentou o Seminário do Patriarcado de Lisboa em Santarém, Almada e Olivais. Foi ordenado sacerdote católico a 15 de Agosto de 1957, no cargo de coadjutor da paróquia de Santa Maria de Belém.

Foi professor em vários liceus, nomeadamente no Liceu D. João de Castro (1962-66?), Liceu Pedro Nunes e Liceu Padre António Vieira, em Lisboa e na Escola Secundária de Queluz, que, posteriormente, em sua homenagem, viria a ser designada por Escola Secundária de Padre Alberto Neto.

Entre 1965 e 1972 foi assistente diocesano da Juventude Escolar Católica (JEC) (masculina) e da Juventude Escola Católica Feminina (JECF), organizações juvenis da Acção Católica Portuguesa de estudantes do ensino secundário.

De 1978 a 1981 foi membro do Conselho Presbiterial do Patriarcado de Lisboa. De 1979 a 1982 foi padre da paróquia de Belas e depois de Rio de Mouro.

Alberto Neto participou desde 1969 em reuniões secretas anti-regime e anti-guerra colonial.

Distinguiu-se, principalmente, enquanto pároco da capela do Rato, em Lisboa. Colaborou activamente na iniciativa de um grupo de católicos, em 1973, de realização de uma vigília de reflexão sobre a guerra colonial contra a autodeterminação das, então, colónias portuguesas em África.

No segundo dia da vigília, um grupo de polícia de choque da PIDE-DGA entra à força na capela e prende 91 pessoas aí encontradas, incluindo líderes da oposição ilegalizada e funcionários públicos que foram exonerados. Entre eles, encontrava-se Luís Moita, Nuno Teotónio Pereira, Francisco Pereira de Moura, futuro membro de um dos primeiros governos democráticos, Francisco Louçã, actual líder do Bloco de Esquerda, entre outros. Muitos acabaram a cumprir pena na prisão de Caxias, para presos políticos.

Alguns dias mais tarde, o padre Alberto Neto é demitido das suas funções, e a sua vigília condenada pelo Cardeal-Patriarca de Lisboa.  Em 1987, foi assassinado por um tiro de pistola, em Setúbal. A investigação criminal foi inconclusiva.

                                                                                                                                                                  Thierry, nº 22 6º 1ª

Anúncios

One response to “O Patrono: Padre Alberto Neto Simões Dias

  1. O Padre Alberto saiu do D. João de Castro em 1963, sendo substituido por um padre de q não recordo o nome mas q tinha um título de “Nova Goa” ou algo parecido. Foram ambos meus professores. Só devo preito ao primeiro

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s